Procedimento cardíaco inédito é realizado no Hospital de Matão

Correção de um problema congênito foi realizada no coração de uma adolescente


A equipe de cardiologia intervencionista do Hospital ‘Carlos Fernando Malzoni’, liderada pelos médicos cardiologistas Said Assaf e João Orávio de Freitas Júnior, em conjunto com o médico ecocardiografista Maximiliano Otero Lacoste e do anestesista Isaías Longhitano Júnior, realizou um procedimento inédito para correção de um problema congênito cardíaco em uma adolescente de 14 anos. A intervenção foi feita no Centro de Hemodinâmica do Hospital, por meio de um cateterismo, e foi considerada um sucesso pela equipe.

Said Assaf ressalta que este tipo de procedimento é feito por cateter, considerado muito menos invasivo, que oferece os mesmos benefícios de uma cirurgia comum. A intervenção chamada de percutânea é realizada sem a necessidade de corte ou sutura. “Com uma agulha é feita a punção na veia da perna, a veia femoral; depois colocamos uma agulha maior, um cateter, e, por meio dele, levamos ao coração a prótese que desejamos implantar”, argumenta.

O médico acrescenta que, para isso, é fundamental ter na equipe um médico especialista em ecocardiograma transesofágico, pois se trata de uma ferramenta essencial para auxiliar a intervenção. “O eco transesofágico permite obter imagens muito nítidas das estruturas cardíacas e se torna muito importante nesta hora, porque nos ajuda a visualizar o posicionamento correto onde implantaremos a prótese na cavidade do coração”, complementa.

Said conta que o procedimento foi o primeiro realizado no Hospital de Matão e, embora tenha sido rápido e seguro, foi preciso muita habilidade e recursos para o sucesso da intervenção. “O problema era bem complexo. Teríamos que fazer uma oclusão, ou seja, fechar um buraco entre os dois átrios (cavidades do coração), tanto do lado esquerdo quanto do lado direito. No período da gestação existe uma comunicação de sangue entre essas duas cavidades do coração. Depois que a criança nasce, esses buracos precisam estar fechados, mas em alguns casos isso acaba não acontecendo, transformando-se num problema congênito que precisa ser corrigido e a deformidade acaba provocando arritmia cardíaca, falta de ar, entre outras complicações”, explica.

O médico finaliza parabenizando toda a estrutura e equipe do Hospital ‘Carlos Fernando Malzoni’. “Temos uma estrutura que não perde em nada para os grandes centros, como hospitais de ponta em cardiologia de São Paulo. A instituição nos disponibiliza todos os materiais necessários para os vários procedimentos complexos dentro da cardiologia intervencionista, tanto em estrutura de pessoal quanto de equipamentos. Atualmente, as cirurgias menos invasivas se sobrepõem aos procedimentos cirúrgicos tradicionais, sendo o nosso serviço dotado de todas as condições necessárias para estes avanços. O Hospital de Matão caminha conosco no intuito de disponibilizar os recursos e avanços tecnológicos para a realização desses procedimentos”, declarou.

“Portanto, agradecemos a toda diretoria e administração por nos proporcionar um trabalho de excelência dentro da cardiologia intervencionista, e estendemos os agradecimentos a toda equipe – Dr. João, Dr. Max, Dr. Isaías, enfermeiros e demais membros da nossa equipe”, finalizou Said Assaf. Em nome de toda a diretoria, a superintendente do Hospital, Denise Minelli, ressalta que tudo isso é motivo de muito orgulho. “Temos a certeza de que o hospital tomou o rumo certo quando decidiu expandir os serviços de alta complexidade e melhorar a resolutividade dos casos atendidos na instituição. Isso nos incentiva e nos faz prosseguir confiantes a enfrentar novos desafios”, afirma.


Fonte: AIHCFM


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários