Cresce o mato nas ruas e avenidas

Empresa que venceu licitação em julho ainda não assumiu os trabalhos


Não tem como passar despercebido. É só andar por qualquer área verde pública da cidade, como avenidas e praças, que o mato alto chama a atenção. Abrigo de insetos e pequenos animais, o mato cresce rapidamente nesta época do ano, com chuvas constantes e altas temperaturas.

Mas o problema é que grande parte das áreas não está sendo roçada. De acordo com o secretário de Serviços Municipais, Antônio Luiz Zucolo, a vigência do contrato com a empresa responsável pela roçagem e coleta de galhos na cidade se encerrou em julho. Uma nova licitação foi aberta e outra companhia apresentou uma proposta com valores bem inferiores aos pagos até então. A empresa anterior contestou a exequibilidade dos serviços em virtude dos valores baixos e, desde então, o processo parou.

O Departamento Jurídico da Prefeitura está buscando uma solução para esse impasse; enquanto isso, o trabalho está praticamente parado há quase quatro meses. “Não dá para contratar outra empresa porque a licitação está suspensa. Então estamos aguardando as determinações no âmbito jurídico”, explica Zucolo.

Os serviços emergenciais de roçagem em prédios públicos – que compreendem escolas, creches, PSFs e avenidas (onde o mato pode prejudicar o trânsito) – estão sendo feitos por funcionários próprios da Prefeitura. Mas, segundo o secretário, isso não cobre nem 15% da demanda da cidade.

As áreas verdes de responsabilidade da Prefeitura somam atualmente 2.300.000 m², e a equipe de manutenção é formada por seis pessoas com ceifadeiras manuais e um trator pequeno com roçadeira. Para a coleta de galhos há um caminhão da Prefeitura com três funcionários, por isso, o calendário de coleta também está suspenso.

De acordo com a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, a empresa que venceu a licitação provou que o trabalho é exequível (ou seja, ela consegue cumprir as exigências) e, segundo as informações, o problema deverá ser resolvido num prazo de 10 dias.


Fonte: Ingrid Alves


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários