Gestão das ESFs volta para a Prefeitura

Atendimento continuará normal, alguns enfermeiros estão sendo dispensados

Algumas ESFs funcionam no mesmo prédio das Unidades Básicas de Saúde
Foto: Ingrid Alves

A partir do dia 20 de julho a gestão das Estratégias de Saúde da Família (ESF), antigos PSFs, voltam para a Prefeitura. Desde o início do atual governo municipal um acordo foi firmado com o Hospital Carlos Fernando Malzoni para que este gerisse as ESFs e o Samu. De acordo com o Secretário de Saúde, João Guimarães Junqueira Neto, o contrato relativo às ESfs venceu e não houve interesse das partes na renovação. "O fim foi amigável e a gestão passa agora à Secretaria de Saúde do município", diz.

O secretário garante que não haverá interrupção no atendimento e a mudança será feita de forma natural. Os agentes de saúde são funcionários da Prefeitura contratados através de concurso público, os médicos são cedidos através de um programa federal (a prefeitura oferece uma ajuda de custo para moradia, transporte e alimentação). A única dúvida envolve os enfermeiros e técnicos de enfermagem. Estes profissinais são funcionários do hospital e estavam alocados nas ESFs. Com a volta da gestão para a Prefeitura, alguns serão absorvidos pelo hospital, mas nem todos têm vaga garantida. Há casos ainda de enfermeiros que não têm interesse em trabalhar no hospital e estes, de acordo com informações, já estão de aviso prévio para serem dispensados.

"A Prefeitura também não pode contratar esses profissionais. Há a necessidade de abertura de um concurso público, mas no momento não há verbas para isso", explica o Secretário de Saúde. Inicialmente, diz Dr. João, haverá uma readequação dos funcionários da rede que atuam nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). "Estamos analisando as possibilidades, mas necessitamos de dotação orçamentária para fazermos qualquer coisa. Acreditamos que em 40 dias teremos uma resposta definitiva", esclarece.

O município conta hoje com 17 equipes de Estratégia de Saúde da Família. Cada uma é composta por um efermeiro, um técnico e quatro agentes de saúde. Vinte médicos atendem essas equipes, que abrange cerca de 85% da cidade. 

De acordo com o secretário, o hospital iniciou a gestão do programa e do Samu em 2017, o que permitiu uma economia para o município e maior qualidade no atendimento. Agora, com o vencimento do contrato, a Prefeitura espera economizar mais voltando a ser responsável pelo serviço. "É importante ressaltar que as ESFs não vão fechar, os médicos continuarão atendendo e a população não será afetada", reforça dr. João.

Procurado, o Hospital não se pronunciou sobre o assunto.


Fonte: Ingrid Alves


  • Compartilhe com os amigos:


Deixe um comentário



Comentários